Ads Top

Precisamos falar sobre assédio verbal.


Se você é mulher, com certeza entende a luta diária que é sair para qualquer lugar: trabalho, escola, shopping ou simplesmente ir ao supermercado. É como se fossemos soldados em uma guerra contra o assédio verbal e sabemos bem, algumas vezes até físicos. Estamos tão acostumadas com essa situação, que normalmente nem damos bola àquele “hey, gostosa” que o motorista do carro gritou enquanto passava por você, afinal, pensamos, poderia ser muito pior.

Estamos lá, andando normalmente para o nosso destino, quando do outro lado da rua tem alguém nos devorando com os olhos. Isso quando não passam bem ao seu lado e largam aquele famoso “oh lá em casa”. Ficamos instantaneamente constrangidas. Envergonhadas e normalmente procuramos o problema em nós, em nossas roupas. Quando notamos que estamos com um jeans que não fica justo e uma camiseta qualquer, lembramos que não tem nada a ver com nossa vestimenta. O problema não vem de nós.

Tenho dois exemplos pessoais recentes, de dois dias seguidos. No primeiro, enquanto voltava do trabalho, me passa um senhor tão perto que chega a encostar, só para poder soltar “nossa, que gostosa”. No outro, também na volta do trabalho, alguém um pouco mais abusado: um cara em um carro, me seguindo e parando a cada quadra, abrindo a porta do carro, chamando de gatinha e convidando para entrar. A pior parte é que esse ainda se sentiu no direito de dizer que eu estava me fazendo quando notou que eu simplesmente acelerei o passo.

O ruim mesmo dessas situações é você se sentir impotente. Se em plena luz do sol, em um horário movimentado o cara tem coragem de chamar atenção dessa forma, quem garante que se eu me irritar ao ponto de parar e xingar, ele não me jogue para dentro do carro? E eu tenho certeza que a minha saia não foi o causador disso, afinal, passei por muitos outros caras dirigindo que não tiveram a mesma reação.

Chega a ser humilhante passar por situações assim e não conseguir nem se defender na maioria das vezes. Porque por mais ridículo que pareça, o fato de respondermos – xingando – faz com que o cara que está assediando pense que está ganhando a nossa atenção, o que o estimula a passar para um nível ainda mais baixo. É como se perdêssemos a nossa voz em alguns momentos como esse. Dá vontade de virar, xingar e esganar quem quer que esteja nos perturbando, mas acabamos só ignorando por medo de piorar ainda mais a situação. Sentimo-nos tão violadas que chegamos a imaginar que na cabeça daquele indivíduo nosso corpo é algo público. Como se andar na rua nos tornasse algo público assim como um parque.

Agora se já é uma verdadeira batalha andar na rua, imagine a guerra que é ir a um clube dançar. Simplesmente não há respeito algum partindo de alguns indivíduos. Passam a mão valendo. Pensam que só porque você está lá dançando e se divertindo, eles têm o direito de se aproveitar como quiserem de você. Como se isso fosse um convite.

O problema é em grande parte cultural. Homens que acham que vão ganhar status – principalmente perante os amigos – ao provocarem uma mulher estranha na rua. Porque sinceramente não acredito que todos esses assediadores verbais de esquina sejam estupradores em potencial. O que está faltando é simplesmente respeito na hora de demonstrar interesse. E isso é um problema seríssimo. Que incomoda, envergonha e humilha quem sofre com ele diariamente. 


32 comentários:

  1. Realmente é constrangedor , você fica sem reação por puro medo e ainda tem que aguentar aquele " mais também olha sua roupa " . Não somos culpadas por isso , só porque estamos com um roupa menor ou justa não quer dizer que provocamos . Não sou nem contra e nem a favor do feminismo mais apoio totalmente a ideia de uma lei para esses assedios .

    http://karoline-caro-sonhador.blogspot.com/2016/01/voce.html

    ResponderExcluir
  2. Realmente não é nem um pouco legal passar por essas situações amei seu texto. Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Também já passei muito por isso, é constrangedor, é nojento e muitas vezes á pavoroso porque realmente fico com medo, de ser seguida, de ser estuprada, me dá muito medo.Tudo que ouvi na rua, eu não estava em nenhum momento com roupa curta porque estava indo para o meu trabalho e só vou de calça, a roupa não tem nada haver e nem justifica a gente ouvir essas coisas.
    Belo post! Muito bem detalhado sobre o que passamos. Parabéns! bjs
    www.pilateandosonhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente realmente sai de casa com medo e tem gente que ainda tem coragem de dizer que somos frescas por isso.

      Excluir
  4. Sentia dificuldade de ir na porta de casa, por que tinha um vizinho nojento.. ai nem adianta falar. Deus me livre, mas agradeci tanto a Deus quando ele morreu. Só ele sabe as barbaridades que aquele homem me falava quando eu passava. Era nojento! Já passei por várias outras situações. E nunca usei roupa curta, nem mostrava a barriga. Minha vida era da casa pra escola e e virse e versa, ai vem um ser e diz que a culpa é da roupa. Isso acontecia na minha adolescência. Agora com quase 25 anos, parou? claro que não. No meu antigo trabalho passava por situações piores. Tanto de clientes quanto de colegas de trabalho. Graças a Deus, não ouve coisa pior pq eu sempre me impus e brigava mesmo, por isso as pessoas acham que eu sou marrenta, e sou mesmo. Prefiro que pensem assim.

    www.episodiodehoje.com.br

    ResponderExcluir
  5. Sempre que acontece alguma coisa, é culpa nossa: se apanhamos é porque não ficamos quietas, se o cara nos trai, é porque não damos conta, se somos cantadas é por conta da nossa roupa curta, se somos estupradas, é por conta do nosso passado. Essa cultura totalmente enraizada me enoja e desconstruir isso tornou-se minha missão de vida! rs.

    Amei o texto <3

    ResponderExcluir
  6. eu me sinto muito constrangida, e por isso que não gosto de sair de casa só, e no mundo que estamos hoje e bem complicado lida com esse tipo de coisa, mesmo andando com alguém, ainda rola aqueles olhares famentos, afs me dar nojo.
    parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  7. Passei por isso hoje!
    Só que eu n]ao abaixo a cabeça. Encaro de volta e mostro que ele NÃO tem direito de fazer isso comigo. O engraçado é que eles não esperam esse tipo de reação, acabam ficando "constrangidos" e param. Chega de me incomodar com isso! Somos mulheres, devemos ser respeitadas. Sem desculpas de roupa, maquiagem ou cabelo. Recentemente, fiz um post sobre isso também. É uma luta eterna, mas que precisa ter voz!

    www.plataformaviajante.com.br

    ResponderExcluir
  8. Texto perfeito! Me identifiquei com um post que já escrevi sobre esse assunto. Também passei por situações parecidas com a sua. Sempre ignoro, uma vez cheguei a acelerar o passo, duas vezes isso já aconteceu comigo, e gritaram "tá se achando né" ou outras coisas pra me humilhar. Eu procuro sempre manter a paz dentro de mim, ignorar, sei que eles querem minha atenção, e sei que eles não a merecem. Mas dá vontade de responder de volta só para deixarem constrangidos. Também não acredito que são "estupradores em potencial", falta senso de respeito mesmo.
    Beijos

    www.juhlihipy.com

    ResponderExcluir
  9. Na rua eu tiro de letra, as vezes da medo, mas a gente, infelizmente se acostuma.

    Agora e no trabalho? Como faz? Como fica? É HORRIVEL envolve muitas coisas =/

    www.cantinhob.com

    ResponderExcluir
  10. Eu fiz um texto recente sobre o feminismo, porque não podemos nos calar diante essas coisas. Não está certo os caras fazerem isso e acharem que estão certos. Não é não.
    Os unicórnios pira

    ResponderExcluir
  11. Texto tão real q me vi nele... esses dias pela primeira vez eu dei os dedos do meio p um cara que as 8h da manhã diminuiu a velocidade da moto e foi indo junto cmg e falando coisas (na hr morri de medo dele ser agressivo) eu tremia de ódio, a reação dele foi de "ue, so tava elogiando" cara, isso é conceito histórico, eles acham realmente bacana. Infelizmente atos tenebrosos aconteceram, mas pelo menos servem p mais pessoas falarem e exporem, toque, assédio verbal, gestual, tudo isso a gente odeia e é nojento. Até quando?
    Amei o texto de vdd, acho q a blogosfera deveria postar mais sobre... bjs

    ResponderExcluir
  12. Adorei! E isso é real, nós mulheres nos calamos perante a isso e saímos prejudicar. Teno inúmeras histórias para contar que chegam a ser triste. Precisamos mesmo falar sobre o assédio verbal.

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem? Realmente ser mulher exige de nós em alguns momentos muita paciência, ou simplesmente sangue frio, para que nessas ocasiões possamos deixar de lado, e não dar ainda mais ênfase do que exige. Concordo que quando damos resposta, eles se sentem no direito de continuar ainda mais confiantes em nos provocar. Eu sou do tipo que deixo pra lá, prefiro fazer de conta que nem foi comigo. Excelente texto! Beijos, Érika ^^

    ResponderExcluir
  14. Concordo completamente com tudo descrito no texto! Só o que não me entra na cabeça, não consigo entender de maneira nenhuma o PORQUE eles fazem isso? Entre 10 mulheres tenho certeza que 9 não gosta desse tipo de assédio, então qual é o intuito de seguirem assim? Provocar mais nojo e revolta? Espero ansiosa no dia que isso mudar! Beijão ♥

    http://sorrisosnooutono.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Nossa é horrível, quando sou assediada eu me sinto despida sabe? Da vontade correr. Devemos sempre discutir sobre isso, essa cultura absurda de falta de respeito tem que acabar um dia. Gostei muito da forma como você expos este problema, a luta é todas nós. Ja chega!
    Beijos
    Charme-se

    ResponderExcluir
  16. Nossa, até doi ler umas coisas assim e se identificar tanto, né? Tenho PÂNICO desses caras em carros parando... me dá muito medo. E me dá muito odio ser tão descarado. Em lugares movimentados. à luz do dia. Com pessoas em volta. Parece algo natural e cada vez mais abrimos mão da nossa liberdade - de usar a roupa que queremos, de sair a hora que queremos, de ir onde queremos - pra tentar ficar seguras e ainda assim saber que não estamos. Essa cultura é bizarra e cada vez tenho mais medo de que não consigamos mudá-la... Mas a luta continua. Sempre.
    Beijos!
    A Menina da Janela

    ResponderExcluir
  17. Esse seu texto, tem que ser compartilhados milhões de vezes. E só a gente sabe o quanto é nojento, e o pior é que ainda tem mulheres que acho que isso é normal, coisa de homem mesmo, e por isso que todo mundo devia ler seu texto e se concientizar que assedio verbal existe e doi como todos os outros !!

    ResponderExcluir
  18. É triste ler algo assim e se identificar, por que são o tipo de coisas que acontecem com todas nós quase que diariamente. Muita gente acha banal quando reclamamos, dizendo que é bobagem, gente isso não é bobagem é humilhante e assustador algum estranho falar coisas obscenas pra você.
    Quando eu ia a alguma boate a noite tinha cara que se achava no direito de me puxar pelo braço e me agarrar a força, puxava meu cabelo e tudo, ai eu falava não e tentava me soltar, mas insistiam, então quando eu começava a lutar para me soltar e fugir dali, me ofendiam e me xingavam de coisas horríveis, como se fosse minha obrigação me deixar ser beijada a força, como se eu fosse propriedade de alguém e só servia pra aquilo.
    O problema é que tem homem que se acha no direito de falar e fazer o que quiser conosco por que diz que é "instinto", que é coisa de homem ou pior falam que a culpa é nosso por provocar, isso além de errado é nojento. Sério todo mundo deveria se conscientizar que toda forma de assédio machuca muito, e deveriam lutar pra isso parar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais triste disso tudo é ver mulher dizendo que é bobagem, que feminista é desocupada e por isso luta contra essas coisas. Parece que elas não se incomodam também, ou simplesmente nunca pararam pra pensar na gravidade disso tudo porque sinceramente quando eu passo na rua e alguém me olha como se fosse me comer viva eu me sinto violada, me sinto algo público.

      Excluir
  19. Realmente é horrível passar por isso, quantas vezes eu andava na rua, e passava aquele cara que buzinva, e olhava com um olhar que dava vontade de mandar para a... pqp! (desculpe-me as palavras). Não sei qual foi a última vez que andei na rua sem receber aquele "fiu fiu", e aquele "boa noite", (sendo que esse "boa noite" não vem ao caso de ser por educação), e como sou bem "sonsa", e não gosto de dar bola ainda respondo BOA, dando uma revirada de olhos, para que ao menos ele se toque.
    Tem muito homem, que se acha no direito de falar, pensar, agir e fazer o que quiser, e ainda vem com papo furado dizendo que é "normal" mas nós também temos voz!
    http://eaigirlblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desde que eu comecei a estudar um pouco mais o feminismo eu percebi que sim, nós temos voz e não adianta quererem nos calar, nos fazer acreditar que merecemos ser tratada sem respeito algum.

      Excluir
  20. É o que mais odeio e sinto repulsa, são esses olhares devoradores e palavras de baixo calão pra gente! Falta respeito, falta honradez, falta uma mente menos influenciável no quesito "se eu nào fizer vào achar que nào curto mulher", sabe?
    Eu sinto medo de andar na rua a noite e ver um homem , sempre penso que ele pode me fazer mal sendo que o correto era nos sentir protegidas, ou então, nào sentir medo, afinal somos seres humanos e devemos respitar um ao outro!
    É lamentável tudo isso! Até quando?
    Blog Mulher Virtuosa By Vany

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Afinal somos seres humanos e devemos respeitar um ao outro!" é bem esse o ponto. Somos todos humanos e merecemos o MESMO nível de respeito.

      Excluir
  21. É tão sério esse tipo de abuso, e a sociedade em geral ainda acha normal. Tá na hora de reclamar para todo mundo ver que não, nenhuma mulher merece passar por isso, nenhuma mulher merece se sentir culpada e constrangida...
    Muito bom seu texto!
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato! A gente tem que reclamar, tem gritar e tem que discutir, sim. O pessoal tem que entender que isso não é e nunca vai ser normal.

      Excluir
  22. É terrível, sorte a minha que faz muito tempo que não passo por alguma situação assim, mas é triste ter que admitir que é provável que seja porque quase nunca saio sozinha, normalmente meu namorado tá comigo.. O pior é que mesmo ignorando tem os idiotas que começam a xingar. Sempre me irritei muito com essas coisas, espero realmente que um dia isso acabe :'(
    www.kcauzices.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anna, acredita que até de mãos dadas com namorado isso já me aconteceu? Uma camionete com dois caras dentro que passaram buzinando e gritando e ainda deram a volta na quadra pra fazer DE NOVO. Me senti absurdamente desrespeitada.

      Excluir
  23. Acho que pior que tudo isso são as mulheres que acham que esse tipo de "cantada" (?????) levanta o ego. Hein??? Como assim??? Sabe aquela história: se vc está se sentindo um lixo, passa em frente a um canteiro de obras. Eu fico me perguntando que um dia falou essa frase, será que foi uma mulher? Será que realmente elas se sentem VALORIZADAS com esse tipo de comentário???
    Adorei o seu texto e acho que muita mulher precisa ler para aprender que "oh gostosa" não é elogio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um ponto bem triste mesmo, ver que isso tá tão sólido na cultura atual que tem mulher que chega a ficar pensando se tem alguma coisa errada quando passa por um bando de homem e nenhum faz piadinha. Construir a auto estima em cima de algo tão fútil e abusivo é um cenário apavorante pra mim.

      Excluir
  24. É triste essa realidade! Dá vontade de fugir daqui, mas nao temos para onde ir... É muito constrangedor!

    beijo,
    www.no-meu-jardim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  25. Fatos como esses são revoltantes, chega a parecer que alguns caras pensam que nosso corpo é patrimônio público, o que é humilhante e completamente vergonhoso.
    http://fxvi.blogspot.com

    ResponderExcluir

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.