Ads Top

A pose é de durona, mas o coração é de mocinha.


Ela é toda cheia de si e sabe do seu potencial. É orgulhosa e conhece o seu valor. Diz por aí, que o coração está fechado. Diz também que não está nem aí. Vive a vida do seu jeito, à seu gosto, não é dessas que perdem tempo dando explicação. Sai quando quer, volta quando der. Não aceita imposições, nem dá espaço pros conselhos. Na sua vida ninguém mete a mão.

Tem esse ar de durona, tão linda. Encanta. Nunca foi de se apaixonar, coração de pedra. Essa ideia que ela passa, de que é só sua e toda sua, deixa todo mundo querendo ser assim também, igualzinho a ela. Inteira. Como se ela fosse uma muralha. Vive sorrindo por aí. Se eleva. Espalha cor e vontade de ser e viver por ande quer que ela passe.

Parece até que não tem essas sofrências de amor que todo o resto do mundo têm, como se tivesse  blindado o coração. É só que ela não se entrega pra qualquer um, tem medo de se machucar.

A verdade, é que por baixo dessa pose de durona, desse não-me-toque todo, ela só quer proteger seu coração. É frágil, sentimental. O que a torna ainda mais linda. No fundo, ela sempre quis um amor, que por amor, a quisesse também. No fim das contas, apesar da marra toda, o coração é de mocinha.


Nenhum comentário:

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.