Ads Top

Resenha: Annie


“O sol vai sair amanhã – disse Annie - Pode apostar seu último centavo que amanhã vai ter sol”

"Olha Sandy - disse a menina abraçando o cachorro - O amanhã chegou!"

"Mas sua característica mais marcante eram os brilhantes olhos azul-cinzentos, que estranhamente pareciam refletir, ao mesmo tempo, um tristeza profunda, uma alegria incontrolável e uma incrível inteligência. O nome dela era Annie."

A história da pequena Annie, se passa em 1933, durante o delicado período econômico dos Estados Unidos que hoje conhecemos como Depressão. Onze anos atrás, na noite de ano novo, ela havia sido deixada em um orfanato junto com a metade de um medalhão e um pequeno bilhete de seus pais dizendo que voltariam para buscá-la.
Onze anos depois, nas vésperas do Natal, as esperanças de Annie de que seus pais realmente iriam buscá-la já estavam quase se acabando e por isso ela decide que é hora de fugir do orfanato e procurar por eles. 
A busca não é fácil. Afinal, Annie não passa de uma jovem menina sozinha vagando pelas frias ruas de Nova York no inverno, sem comida, dinheiro ou onde dormir. Acaba por cair em algumas pequenas armadilhas, conhece pessoas más que só querem se aproveitar dela e boas pessoas as quais tentam ajudá-la. Após finalmente conseguir juntar uma pequena quantia para comprar passagens e continuar a busca por seus pais, Annie é encontrada e levada de volta para o orfanato, onde, ironicamente, seu destino e sua busca mudam por completo.

O livro Annie traz uma magia sem igual para os leitores que decidem acompanhar a busca da personagem. A esperança e a bondade no coração da pequena Annie é de encantar qualquer um. Mesmo com toda a dificuldade que já sofreu e que sabia que sofreria após decidir encarar o mundo sozinha em busca de seus pais, ela não perde em momento algum seu otimismo, dizendo que o amanhã sempre chegará e nele terá um lindo sol. 
Além desse ar de conto de fadas, o livro traz também um breve panorama histórico dos Estados Unidos na época da grande depressão, a partir de 1922 e de como isso afetou sua população.
Uma leitura que prende o leitor até a última página, com um vocabulário de fácil interpretação apesar de ser um clássico, personagens muito bem construídas, rápida, e que em alguns momentos pode causar um turbilhão de sensações conflitantes no leitor que pega emprestado o otimismo da personagem e fica torcendo a cada página para que ela tenha seu final feliz.
Podemos aprender uma lição valiosíssima com a Annie: o tempo ruim sempre vai passar e as coisas boas sempre vão chegar, nós só precisamos acreditar nisso. 

Esse clássico incrível escrito pelo Thomas Meehan em 1980 ganhou sua primeira adaptação para as telonas em 1982 com um musical e em 2014 foi lançada uma versão mais nova.


Ficha técnica:
Título: Annie
Título Original: Annie
Autor: Thomas Meehan
Tradutor: Suelen Lopes
Editora: Intrínseca
Ano: 2014



Nenhum comentário:

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.