Ads Top

Filme: Como eu era antes de você


Essa semana lançou nas telonas brasileiras a adaptação do livro da Jojo Moyes: Como eu era antes de você, estrelando Emilia Clarke como Louisa e  Sam Claflin como Will. O filme veio cheio de romance e drama como os fãs do livro esperavam. Apesar de deixar de fora algumas cenas que gostaríamos de ver, a adaptação trouxe muita intensidade em todas as cenas que foram colocadas.  No filme conhecemos um Will Traynor menos grosso e estúpido do que o livro nos apresenta, mas uma Lou tão carismática e única como já conhecíamos - talvez até um pouco exagerada demais nesse personagem. Com uma trilha sonora regada de pop internacional atual, o filme foi bastante apaixonante e voltado principalmente para um público mais jovem.


Lou é uma jovem moça que ao perder seu emprego em uma padaria, fica pulando de emprego em emprego para ajudar em casa onde a situação financeira não vai nada bem. Moram sobre o mesmo teto que Lou seus pais, seu avô, sua irmã e seu sobrinho e para deixar a situação ainda pior, seu pai também está desempregado. Infelizmente sua simpatia não foi o suficiente para que conseguisse manter qualquer um dos empregos que conseguiu, até que uma vaga como cuidadora para a riquíssima família Traynor aparece.

Já no outro lado da trama, Will Traynor era um insuportável mimado e riquinho, dedicando sua vida aos luxos e riscos que um homem poderia correr praticando os mais variados esportes radicais. Esse estilo de vida foi arrancado dele quando, há dois anos, sofreu um acidente de trânsito, o que fez com que ele perdesse o movimento dos membros. 

Ela, com toda sua simpatia, chega animada e tagarelando no primeiro dia do novo emprego para encontrar Will,  em uma parte do castelo em que seus pais adaptaram com todo o conforto necessário para a nova realidade dele.  Will, completamente diferente de Lou, não dispõe de nenhum bom humor, somente de seu comportamento auto destrutivo que tende a afastar qualquer pessoa.

As tentativas de aproximação de Lou são adoráveis e além de aos poucos irem conquistando um espaço no coração e na vida de Will, fazem com que quem esteja assistindo dê boas risadas. A história é um misto de sensações: hora boas risadas, hora aquele aperto no peito.


Os papéis ficaram num geral um pouco mais exagerados do que o necessário, começando pela protagonista que ao invés de ter um foco inteiramente como personagem, teve muita  atenção deslocada apenas ao  seu rosto e sobrancelhas, que podemos dizer que são bastante responsivas. Esse foco acabou deixando um pouco de lado a delicadeza e inocência que a personagem deveria nos trazer. O namorado de Lou, Patrick, também, apesar de aparecer em poucos momentos, foi construído muito caricato como o namorado que só pensa em si mesmo.  


No desenrolar da história vamos nos encantando com o romance que vai surgindo entre o casal, com a forma como a Lou faz da vida de Will, e a questão de mantê-la, sua maior prioridade esquecendo toda e qualquer outra coisa que pudesse ficar no caminho durante esses seis meses que ela tem para convencer Will de que a vida ainda tem muito para oferecer e que ela estará sempre ao seu lado. 


Um cenário cheio de decisões por amor, seja ele pela família, por relacionamentos ou por si mesmo, o filme apesar de nos tocar, poderia ter trabalho mais fortemente essas questões e dado uma linha um pouco diferente do comum. Apesar de trazer muitos dos elementos que encontramos nos romances por aí, o filme acaba escapando de ser "apenas mais um" pelo inesperado desfecho da história, onde Will Traynor contrariando as expectativas (e partindo nossos corações) não desiste da ideia de suicídio assistido.



7 comentários:

  1. Parece ser um filme legal, até mesmo o livro. Agora quero ver o filme.
    Eu não estava querendo assistir, por ser romance e tal, não gosto muito.
    Também não sabia que ele ficaria paraplégico. :o
    www.domvisconde.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Que legal! Não costumo assistir muitos filmes de romance, só quando estou triste hahaha mas pra compensar eu sou louca por filmes de terror. Gosto de assitir romance quando é pra chorar. A vez que assisti PS Eu Te Amo eram um mar de lágrimas a cada carta!!

    Obrigada pelo comentário, vou te seguir no BlogLovin.

    Sucesso! Com carinho, Menina Borboleta.

    Meniborboleta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Karol, primeiramente preciso dizer que amei o novo layout. Ficou lindo demais esse cabeçalho!
    Estou formulando minha resenha sobre o filme, também fiz a resenha do livro, mas está um pouco difícil porque o filme não me agradou tanto.
    Concordo com a maioria das coisas que você disse.
    Quando eu soltar a resenha te aviso.
    Fiz um blogroll e você está nele!

    Me chama de Bella

    ResponderExcluir
  4. Olá, Karol!
    Estou fugindo desse filme porque sei que vou chorar por dias, mesmo não tendo lido o livro.
    Beijos!
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
  5. Não teve como conter as lágrimas assistindo esse filme, coisa mais linda! ♡ Aliás, sou muito sonsa mesmo ou o que? Pois só me vi agora no seu blogroll e tu não imagina a minha felicidade, hahah Obrigada! Um beijo grande ♡

    ResponderExcluir
  6. Oie! Fui ver esse filme no cinema e chorei muito, mas muito mesmo! Melhor filme da vida, sério! Poderia ver 500x seguidas hahahah

    Com carinho, Nat.

    Www.imcitadin.com.br

    ResponderExcluir
  7. Apesar de eu ter gostado (e chorado) muito mais com o livro, e o filme ter sido meio "comédia", eu me encantei muito por tudo, principalmente a fotografia e a trilha sonora <3 no final, eu não sabia nem quem eu era e não tinha mais nenhum lenço na bolsa hehe.

    Beijos :*

    ResponderExcluir

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.