Ads Top

Vai e não volta

Vai e volta, vai e volta. Uma hora vai e não volta.

Eu até acho divertido esse seu jeito avoado de ser. De sair por aí sem destino, horário ou programação. De sair por aí determinado a seguir seja o que lá o que mandar o coração. Até acho bonito essa forma de encarar o mundo com mais leveza, disposto sempre a remar contra a correnteza quando essa quiser te levar para o lado oposto que sua alma caminha. Acho tão gostoso de se ver.

Mas só de ver, assim mesmo, de longe. De assistir e quem sabe até inspirar um conto aqui, um poema ali. Porque a real é que isso não serve pra mim. Esse desapego todo, esse não ter hora nem lugar, não ter âncora nem lar. Não serve, não.

Eu sou daquele tipo mais antigo, daquele cheio de clichês. Até gosto das aventuras, do voar, de navegar. Mas eu gosto mesmo é de ancorar. Gosto de ter pra onde voltar, gosto de ter um riso pra compartilhar. Gosto de chegar. Mas gosto mais ainda de ficar.

Eu já tentei levar a vida assim, nesse estilo avoado de viver. O problema é que não me aquece, nem faz tum tum no coração. Afinal, a vida é assim, não é? As vezes o serve pra você, não serve pra mim.

Porque a verdade é que eu gosto desse previsível que tanta gente reclama. Eu gosto de criar laço, nó, raiz. Gosto de abrir o coração, segurar a mão e andar num ritmo lento, desacelerado, um passo por vez. Gosto de saber onde é que eu estou pisando, o que é que estou conquistando. De pesar o que entra e o que sai, o que fica e o que vai.

E eu até acho bonito de ver esse seu vai e volta, seu ir e vir. Mas é aquilo que dizem por aí. Quem muito vai e volta, uma hora vai e não volta. E eu não gosto das despedidas. Não gosto de ver toda hora você partir, sem ter certeza se seu navio vai ancorar mais uma vez no meu cais. Aperta o coração. Dói.

Não gosto de fechar as portas, de trancar a passagem. Não gosto de dizer adeus, nem sequer até logo. Mas toda a vez que você vai, leva consigo as borboletas. Deixa um vazio. E quando você volta, não espera cicatrizar e já leva de novo. Faz um rombo aqui dentro. Por isso, dessa vez você vai. Mas não volta. Não chega, não ancora. Dessa vez você só vai, porque eu não tenho mais estrutura pra aguentar novas partidas.


Entre Cartas e Amores

17 comentários:

  1. Sempre me vejo nos teus textos, acho que por muitas vezes ser os dois lados, me identificar com os dois lados. Sou muito da primeira personalidade, mas também sou muito de não gostar disso. É contraditório, né? Mas é mais ou menos isso. Despedidas são um saco e pessoas que trancam passagem também. Acho que pra qualquer coisa na vida a transparência sempre vai ter seu lugarzinho reservado. "Quem muito vai e volta, uma hora vai e não volta. E eu não gosto das despedidas. Não gosto de ver toda hora você partir, sem ter certeza se seu navio vai ancorar mais uma vez no meu cais." Amei ♥

    ResponderExcluir
  2. Esse post e para um sagitariano? hahahaha sério, não existe pessoas mais desapegadas, não conheço! da uma inveja, adoraria ser desapegadão assim que nem eles, e esse seu texto com certeza e para um kk. Comigo e oito ou oitenta, ou fica ou vai de uma vez, ODEIO INDECISÃO! KK BEIJOS

    ResponderExcluir
  3. Eu sou tão desapegada em alguns assuntos que tô achando que alguns trechos desse texto tu escreveu para mim, hehehe.
    Mas esse negócio de vai e volta me cansa, acho que sou tão boa na arte de desapegar que se começar com esse vai e volta eu já mando não voltar mais. :P

    ResponderExcluir
  4. Que texto lindamente triste. Acho que tem pessoas que nasceram para criar raízes e outras com asas para voar e ganhar o mundo enquanto a outra só deseja ficar. Quando essas pessoas se encontram é lindo, porque uma traz o que falta na outra, mas chega um ponto que a beleza deixa de chamar a atenção e as diferenças gritam e por mais que se tente tem coisas que não foram feitas para durar e sim só para serem admiradas de longe.

    Parabéns pelo texto você conseguiu passar a beleza e a aflição dessa relação conflituosa.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
  5. Tem uma música chamada "Farewell" que descreve mais ou menos essa situação. Conta a história de um casal, e a mulher abre mão do relacionamento por ver que a pessoa amada precisa sair daquele lugar, buscar novas coisas/aventuras... e tem um trecho que é bem assim: "eu sei que você vai para outro lugar, para buscar uma vida melhor, eu espero que você encontre logo na primeira tentativa, e mesmo que me mate ver-te partir, eu ficaria mais triste ainda se você nunca fosse pegar a estrada. Então adeus, alguém irá sentir sua falta..."

    E, eu acho que o amor é isso mesmo. Ninguém muda ninguém por mais que ame. A mudança é algo que a própria pessoa determina, e quando existem muitas diferenças, ou a pessoa aceita isso, ou a pessoa abre mão. Então, eu entendo perfeitamente o ponto de vista desse texto lindo, e eu faria o mesmo! Sempre iria querer ver a pessoa feliz, "indo e vindo" e haha, tudo que você mencionou.

    Parabéns Karol, como sempre, quero dizer que AMEI seu texto.
    Beijos,
    Blog Senhorita Deise

    ResponderExcluir
  6. Que forte esse texto... Me deixou arrepiada! Escreve muito mulher! Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! Mexeu até com o pouco do coração que tenho. Hahah

      Excluir
  7. Olá,
    Que belas e tocantes palavras, Karol. Triste, mas com a dose certa para mexer com o leitor. Eu amo quem consegue ir fundo no sentimento, assim como você.
    Tu escreve muito bem, desde a primeira vez que vim ao seu blog fiquei apaixonada pela sua escrita.<3
    Tu vai longe, menina. E torço muito por isso.
    Beijos.<3

    Leitura de Lua

    ResponderExcluir
  8. Com certeza esse texto tem um pouco de mim!Cada palavra me trouxe uma lembrança, e cada uma delas se tornou em uma só chamada SAUDADE.
    Amei ❤

    ResponderExcluir
  9. Eu sou tão aquariana kkk que parece que esse post foi pra mim .. uma das coisas que meu marido sempre fala comigo .. VOCÊ GOSTA DE SE SENTIR LIVRE que separar ? kkkk eu gosto mesmo de liberdade até um certo ponto . nunca fui de vai e volta ou é 8 ou 80 .
    Que texto , pude me encontrar nele em algumas partes .

    ResponderExcluir
  10. Não sei exatamente o que comentar, mas preciso comentar algo. Sou apaixonada por esse lado literário. AMO blogs com TEXTOS e o seu é um que não sai da minha lista de favoritos. Sei como é maravilhoso ler isso, então precisava te dizer... Se é que já não disse em outros comentários. Sério, apenas continue. Porque é muito incrível. Seus textos são muito bons, de verdade. Sempre venho ler e nunca decepciona. Esse em particular eu me identifiquei muito. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  11. eu fiquei dividida com esse texto: ao mesmo tempo que eu PRECISO de segurança, preciso de uma âncora que me mantenha com os pés no chão, eu também preciso de loucura (muita loucura!). Pra mim, ao mesmo tempo que o mundo pode ser um quadro imaculado e tranquilo, ele também pode ser um playground insano! São dois lados meus que ainda brigam pelo equilíbrio.

    adorei o texto <3 são sempre lindas as suas crônicas.

    beijos.

    ResponderExcluir
  12. Sempre que leio seus textos gosto de escolher um trecho que mais me identifiquei, nesse texto acabei grifando ele por inteiro. Eu sou exatamente assim, eu tento ser avoada, mas não consigo, sou ancora.

    ResponderExcluir
  13. Guria que texto lindo! Me identifiquei tanto. Eu sou bem assim, até me aventuro, voo e dou a cara à tapa, mas gosto de ter para onde voltar no fim do dia. Gosto de ter um colo e um abraço para me aconchegar. De novo: texto lindo demais <3

    ResponderExcluir
  14. Consigo me identificar bem nessse texto, embora eu seja uma mistura desse ir e vir e ancorar. Também não sou de ficar vai e volta e de gostar de ter algum lugar pra voltar, mas acho que as vezes é necessário a liberdade de ir, sabe? Não sei se dá pra entender meu ponto de vista, é que já estive em uma situação a qual esse texto se encaixa.
    De qualquer forma, concordo que o melhor é ter algum lugar a que retornar. Mesmo que não merecido.

    ResponderExcluir
  15. Não tenho estruturas para esses textos. Que parecem que quebram os nossos corações em pedacinhos lentamente... Fico só observando essas pessoas indo embora... vivendo... retornando querendo ser recebidos como se nada tivesse acontecido.

    ResponderExcluir
  16. Eu sou muito prática e muito direta, não consigo viver com pessoas "deixa a vida me levar" rs
    Eu parei de sair com meus pais muito cedo pq eles são assim, saem de casa sem destino rs viajam sem destino e isso começou a me incomodar tanto que precisei parar rsrs
    Mas sei, acho que as pessoas que vivem assim são até mais felizes rsrs

    ResponderExcluir

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.