Ads Top

Eu culpava o amor, mas percebi que é o desamor que machuca

É o desamor que machuca

Dizem por aí que amor faz mal. Que amor machuca, fantasia e cria ilusões sem igual. Dizem por aí que o amor é uma coisa banal. Que ele chega de mansinho só pra ir destruindo aos pouquinhos as estruturas do nosso coração, do nosso psicológico e do nosso ser por inteiro. 

E tanto dizem que eu acreditei. Acreditei veemente em todos os contos e poemas de escritores amargurados que condenavam esse tal de amor pros piores castigos já imaginados. Acreditei quando você foi embora, que essa história de amor não passava de uma enorme furada. 

Acreditei que era culpa minha e que todas as lágrimas eram muitíssimo merecidas -para mim, que baixei a guarda e me permiti entrar nesse conto de fadas que chamam de amor. Acreditei que era problema meu, ter caído nessa, ter metido os pés pelas mãos. 

E me queixei sem parar, choraminguei todos os dias enquanto escutava as músicas mais tristes que eu conhecia. Maratonei todos aqueles filmes dramáticos onde retratam o amor como vilão. Segui todos os passos pra quebrar ainda mais o coração. Me afundei até não ter mais onde cair. 

E aí aconteceu de novo. Porque afinal, é sempre assim que acontece. Quando não tem mais pra onde descer, a gente começa a subir. E sempre tem uma mão lá estendida pra ajudar na subida. Ah, e que mão. Era o tal do amor dando o ar da graça mais uma vez. 

E ele veio com o conjunto todo: o sorriso bobo fora de hora, o suspiro gostoso quando o celular vibrava uma mensagem, o pensamento sempre fora de órbita. Tinha até aquele brilho no olhar e reflexo bonito no espelho. 

E eu não conseguia compreender, como é que uma coisa tão bonita, tão gostosa de ser sentida podia virar aqueles filmes e músicas tristes, aquele tanto de lágrima e soco no travesseiro. Não dava pra entender como é que algo tão especial podia virar, do dia pra noite, algo banal. 

Mas conforme o amor aqui dentro crescia de novo, eu percebia aos poucos: não é amor que faz sofrer. Não é o amor que machuca, como o poeta dizia. É o contrário. É a falta dele. É o desamor que faz tudo virar cinza. 

Porque não foi o seu amor ou o meu amor que fez doer. Não foram as cores, os beijos e os amores que já me fizeram sofrer. Eles me fizeram feliz sempre que estiveram presentes. E continuam fazendo, se me permite dizer. Eu culpava o amor, mas percebi que é o desamor quem machuca.

É, o poeta mentiu. Ele não soube administrar a dor que sentiu e veio pra mim e mentiu, dizendo que amor era coisa ruim. Amor é coisa boa e faz um bem danado pra pessoa.

Imagem: Weheartit

É o desamor que machuca


2 comentários:

  1. Adorei seu texto.... com ctz o desamor que machuca 😢😊 parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  2. Aonde aperta pra curtir infinitas vezes? Tu anda espionando minha vida, Karol. Não é possível.

    Cara, eu amei! Não tenho mais o que falar. Amo todos os textos do teu blog, e irei repetir isso sempre. Mas este, virou um dos meus favoritos e com direito a compartilhamento nas redes sociais, sim.


    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpageInstagramTwitter

    ResponderExcluir

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.
UA-80596339-1