Ads Top

Eu te fiz poesia - Blog de textos, comportamento e vida a dois.


Acabou. Era terça feira, perto do meio dia. Eu nunca fui muito fã desses meios, apesar de não gostar das segundas também. Mas era terça feira, quase meio dia quando você chegou, meio cabisbaixo e com uma carta na mão. Eu estava que já não me aguentava mais de saudade do seu abraço e fui correndo pros seus braços no exato momento em que você me olhou.

Você afastou o corpo meio sem jeito, não querendo parecer estúpido mas ainda assim deixando claro que preferia manter uma certa distância. Fiquei um tanto surpreendida, mas sabia que a última discussão na semana anterior tinha sido um tanto quanto complicada e decidi por respeitar seu espaço.

Você estava meio encabulado, eu acho. Não chegou com aquele sorriso lindo e radiante, nem com as palavras sem fim que você sempre discursava quando estava perto de mim. Ficou ali parado, quieto, estendeu o braço e me alcançou o pedaço de papel dobrado que segurava na mão. 

Provavelmente foi o clima que ficou no ar, ali entre nós, mas eu não precisei nem abrir sua carta pra saber do que se tratava. O coração quase parou. Não literalmente, mas aquele amor que transbordava dele cessou. A cada dobra que eu desfazia daquele pequeno pedaço de papel ficava mais difícil controlar aquele mar revolto de lágrimas que se formavam nos meus olhos. 

Cada trecho ali escrito era um turbilhão de sentimentos confusos que se formavam aqui dentro. Você escolheu as palavras mais bonitas que conhecia para colocar ali, naquela carta, uma despedida. 

Não me deu um um beijo, um sorriso ou sequer um adeus quando deixei o papel cair no chão após ler mais de uma vez cada palavra contida ali. Você simplesmente fechou os olhos e saiu, sem olhar pra trás. 

Dizem que a gente sente quando algo que era belo está chegando ao fim. Dizem que a gente sempre sabe quando vai acabar. Eu não senti, eu não sabia. 

E eu não lhe culpo por desistir de algo que já não fazia seu coração transbordar como o meu transbordava. Ninguém é culpado por deixar de sentir da mesma forma que sentiu um dia. Ninguém é culpado por interromper algo que já não faz tão bem. 

Juntei sua carta ali do chão e sai também, caminhando devagar pra compensar a falta de visão ocasionada pelos olhos cheios de lágrimas. Chorei baixinho na volta pra casa. Senti alguns olhares na minha direção, mas não era tão simples assim acalmar o coração. 

Senti aquele aperto no peito por mais tempo do que gostaria de admitir. Senti saudade em cada segundo dos dias que se sucederam. Senti uma vontade enorme de te ver. Mas eu compreendia sua decisão e não me sentia no direito de desrespeitá-la. Então eu escrevi. Foi a melhor forma que encontrei de calar tudo que gritava aqui dentro: escrever. 

Eu te fiz poesia, te fiz canção, te fiz romance, conto e quase uma novela. Eu fiz drama nos versos: a gritaria aqui dentro estava alta demais para eu conseguir escrever mais que meia duzia de palavras quase desconexas. Juntei os versos e fiz canção de tudo aquilo que doía. Fiz ou um outro conto com as lembranças mais bonitas que tinha. Juntei todas e escrevi aquele fatídico dia, como surpresa pro final. A novela ficou pela metade. Foi nela que eu superei. Foi nela que tudo aqui dentro acalmou. 

Karoline Krahl - Eu te fiz poesia - Blog de textos, comportamento e vida a dois.

15 comentários:

  1. Que texto mais lindo! <3
    www.retalhodavida.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Karol, amando seus textos. Estou planejando fazer um blog assim, como o seu, com pensamentos. Por enquanto estou treinando no blog da minha amiga, Dá uma passada lá? Ah, estou te seguindo! Amei aqui... beijos. http://www.tatycamposblog.com/2016/10/pessoas-que-nos-ensinam-nao-ser-iguais.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adorei a sua escrita ♥ Investe nela sim!!

      Excluir
  3. Amei esse blog! Vou acompanhar pra sempre!!

    ResponderExcluir
  4. Karol, escreve uma carta para mim? Quero saber o que tem dentro do teu coração sobre mim. Você sabe quem pede por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi... Eu faço sim, mas, eu preciso saber quem é :( Se não quiser falar publicamente aqui, pode chamar no face, twitter ou email haha. ♥

      Excluir
  5. uau que texto mais emocionante! parabéns pelo dom da escrita pois você realmente possui.
    um super beijo, tety
    hellootwenty.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Como sempre tu me surpreendendo com as mais lindas palavras num texto tão emocionante de ler.


    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpageInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  7. Karol, me diz qual é o teu segredo pra escrever tão bem e com tanta sensibilidade e sentimento? hahah Amei demaiiiis, me identifiquei tanto!

    Beijoos

    ResponderExcluir
  8. Que delicadeza suas palavras, consegui imaginar a cena. A emoção da menina e a reação do menino... Parece até cena de filme, muito poético. :D

    Blog | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  9. oi tudo bem?

    sua escrita é maravilhosa, adorei o texto. Continue assim
    pois achei muito profundo e cheio de sentimentos. beijos

    Taynara Mello | Indicar Livros
    www.indicarlivros.com

    ResponderExcluir
  10. Texto maravilhoso amei, obrigado pela visita, tenha uma semana abençoada.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.