Ads Top

Você nunca precisou de ninguém para fazer a si mesmo feliz



Em algum momento, você percebe que não terá o final de contos de fadas. Que as suas escolhas de vida, te levaram para um outro caminho. Não me entenda mal, não quero dizer que por que você não vai ter um: "E eles foram felizes para sempre...", que você não vai ser feliz. Não é por que o seu livro não tem uma capa colorida, que a história será ruim. Não é por que o príncipe ou princesa não apareceram no terceiro ato, que você realmente precisasse dele ou dela.

Acostume-se de pular de lençol em lençol, abraço em abraço, beijo em beijo e sexo em sexo. Acostume-se com chegar em um apartamento qualquer tarde e sair cedo, sem dividir o café da manhã. Acostume-se que os beijos de adeus, serão sempre de adeus mesmo. Sempre de passagem, nunca pra ficar. 

As pessoas que realmente querem ficar na sua vida, vão segurar sua mão mesmo com a porta de saída aberta o tempo todo, simplesmente porque querem, não porque não havia para onde ir.

Por vezes você se encontrará diante da saída também e não há nada de errado ou ruim nisso. Se você sabe viver consigo, qualquer lugar no mundo é sua casa. Você nunca precisou de ninguém para fazer a si mesmo feliz. Levar a si mesmo ao cinema, para jantar, ou qualquer mínimo prazer que você possa proporcionar a... você.

Aceitar como a vida é efêmera, e que justamente por isso você não deve ceder para coisas menores do que merece, é o primeiro passo para construir algo que transpasse qualquer explicação mundana ou divina, mas sem nunca contar com isso, nem que dure para sempre. É aceitar que se vier tudo bem, se não vier também, se me acompanhar me fará feliz, mesmo que seja só por alguns passos.


Nenhum comentário:

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.