Ads Top

O que ainda é seu - texto de amor


Encontrei perdida na minha caixinha de jóias aquela primeira aliança que você me deu, num dos nossos primeiros encontros quando ainda nem sabíamos o que poderíamos ser, num tom de brincadeira misturado com provocação. Um daqueles anéis de brinquedo que se ganha em festa de criança, o qual segundo você, foi preciso uma longa discussão e uma barra de chocolate para consegui-lo com sua irmã mais nova. 

O coração apertou ao segurá-la mais uma vez, depois de todo esse tempo. Quando você foi embora, depois da primeira semana em que eu não sabia o que pensar, decidi que se queria seguir em frente, precisava acabar com tudo que me lembrasse você. 

Comecei pelas fotografias, aquelas que ficavam no meu mural e aquelas que eu guardava naquele álbum que encontramos numa daquelas lojinhas que vendem de tudo e que era tão a nossa cara que compramos pensando "um dia vamos mostrar esse álbum para nossos filhos." Joguei fora as cartas, os desenhos e todas aquelas lembrancinhas bobas dos nossos primeiros encontros que eu ainda guardava em uma caixinha, só pra não correr o risco de esquecer nenhum detalhe da nossa história.

Doei os livros que você me deu e doei também os que eu mesma comprei, mas por sua indicação. Pensei em ir até aquele sebo pertinho do nosso café favorito e trocá-los, mas o sebo também entrava na categorias "nossos lugares favoritos" e não só aquele, mas todos os da cidade. E a ferida ainda estava aberta demais para ir até um lugar cheio de histórias de amor que também foi cenário da nossa história de amor me desfazer de um punhado de outras histórias de amor. 

Excluí das minhas playlists todas aquelas músicas as quais em algum momento tinha criado alguma ligação com você. Excluí as músicas que você tinha me feito gostar e apesar de hesitar em ter que o fazer, excluí também todas as gravações que eu tinha da sua voz rouca cantando músicas que você diziam fazer lembrar de mim. 

Joguei fora até a nossa aliança oficial. A minha e a sua, que você fez questão de deixar aqui naquele fatídico dia em que veio até a minha casa pela última vez. Aquela que eu te dei quando diferente da primeira, nós já sabíamos o que queríamos, quando acreditávamos ingenuamente que ficaríamos juntos para sempre. Não era de plástico como a primeira e também não era uma jóia de ouro e com pedras como a que planejávamos comprar quando decidíssemos nos casar. Era uma semi-joia comum com nossos nomes gravados dentro. Mas era com toda a certeza a semi-joia mais bonita entre todas as semi-joias que já tinha visto em toda a minha vida.

Na sacola de lixo foi também o puf, aquele ursão branco que você me deu no nosso primeiro aniversário de namoro para ser minha companhia nas noites frias em que seu corpo não podia se enrolar no meu. Junto do puf, foi também aquela caneca florida que você me deu e pediu para usar sempre de manhã, assim você estaria comigo em todos os começos, de todos os meus dias.

Coloquei fora todos os rastros físicos que indicavam que algum dia você havia feito parte da minha vida. Todas as coisas que poderiam me lembrar você. Inutilmente, se quer saber. Porque agora, com esse anel, com essa pequena joia de plástico na mão, mesmo depois de todo esse tempo, percebi que colocar todas essas coisas fora não me fez esquecer cada detalhe sobre as histórias que as envolviam, cada detalhe sobre cada dia que sua vida e a minha se entrelaçaram. 

Com esse anel na mão, percebi que apesar de todos os esforços, apesar de todas as tentativas de te tirar por completo da minha vida, ainda permaneciam duas coisas suas aqui: o anel e eu. 


Um comentário:

  1. A gente se engana, acredita piamente que nossas lembranças são puramente materiais e livrando-nos destes, todo o resto vai embora por consequência. Mas mora na gente, mora no cheiro, na nostalgia de uma risada, perfume e saudade. E apagar isso seria apagar um pedaço nosso, uma parte vívida e inexorável da nossa história.
    A gente não esquece, nunca esquece, mas a saudade, quem sabe, nos deixa em paz.

    Com carinho, Beca;
    Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir

Entre Cartas e Amores - Blog de textos, comportamento, amores e resenhas literárias. Conta pra gente o que você achou ♥

Tecnologia do Blogger.